Select Menu
Select Menu

Noticias

Games

Entretenimento

Tecnologia

Ciência

Análises

Humor

Vídeos

Especial

» » » 7 livros que ferraram a humanidade


Fabricio Piton Prior 08:49 33


Teóricos equivocados podem causar grandes prejuízos. A humanidade já teve livros que incentivavam a matança de mulheres consideradas bruxas, defendiam a inferioridade de certas nacionalidades, diziam que as mulheres eram menos inteligentes que os homens. Aqui estão listados 7 livros que causaram grandes problemas a humanidade pela história e talvez ainda causem, pois muitas das crendices e intolerâncias culturais podem ter sido passadas de geração em geração por culpa dessas literaturas distorcidas.

Aqui não estão todos, apenas alguns que tiveram grande representatividade.

1- “L’uomo delinqüente” (O homem delinquente), Cesare Lombroso, 1876

O médico e cientista italiano Cesare Lombroso defende, nesse livro, a teoria de que certas pessoas nasceram para ser criminosas e que isso é determinado por características físicas, como nariz adunco e testa fina, traços típicos dos judeus. A obra fez muito sucesso e influenciou o direito penal no mundo todo. Mas o problema maior foi que a obra também reforçou várias teorias racistas – principalmente o anti-semitismo nazista. O detalhe é que o próprio autor era judeu e sua intenção era simplesmente ajudar a ciência penal e jurídica. Atualmente, a teoria caiu no descrédito. Mas, mesmo assim, ainda há quem a defenda (vide o deputado Feliciano e outros do mesmo saco de farinha).




2- “Mein Kampf” (Minha Luta), Adolf Hitler, 1925

O livro de Hitler tem, na verdade, 2 volumes. O primeiro foi escrito quando ele tinha 35 anos e estava preso por causa de uma tentativa de golpe de estado mal-sucedida. O segundo, inédito no Brasil, foi escrito já fora da prisão. O livro se destacou pelo racismo e anti-semitismo do autor, que via o judaísmo e o comunismo como grandes males e ameaças do mundo – o autor pretendia erradicar ambos da face da terra. A obra revela o desejo de transformar a Alemanha num novo tipo de Estado que abrigasse a raça pura ariana e que o tivesse como um líder de grandes poderes. Era um aviso para o mundo, mas na época ninguém de fora da Alemanha deu muita bola. Mein Kampf ainda hoje influencia os neonazistas.






3- “A inferioridade intelectual da mulher”, Carl Moebius, século 19. Sem tradução para o português.

Psicólogo influente em meados do século 19, Moebius escreveu esse livro seguindo idéias já bastante disseminadas desde a época de Platão e Aristóteles e defendia a inferioridade feminina e a restrição dos seus direitos. Usando pesquisas e tabelas pseudo-científicas, ele comparou o desempenho feminino em determinadas áreas intelectuais quando em disputa com homens (em um teste parecido com o vestibular de hoje). Pensadores antifeministas citavam essa obra para apoiar teses de que as mulheres não deveriam ter uma série de direitos por serem “inferiores intelectualmente”.

4- “O martelo das bruxas” ou “Malleus Maleficarum”, Jacob Sprenger, 1485

Manual de caça às bruxas que levou muita gente à fogueira, o livro foi muito influente entre as igrejas católica e protestante. Jacob Sprenger indicou uma série de procedimentos para a identificação das bruxas: se a mulher tivesse uma convivência maior com gatos, por exemplo, já era suspeita. A obra foi responsável por quase 150 anos de matança indiscriminada de mulheres. A onda só passou depois que o método científico começou a prevalecer sobre a crença religiosa cega, a partir da publicação dos estudos de Isaac Newton. Com o pessoal discutindo assuntos científicos, pegava mal ficar caçando bruxa.







5- “Essai sur l’inégalité des races humaines” (Ensaio sobre a desigualdade das raças humanas), Joseph Gobineau, 1855

O livro do cientista social Gobineau virou referência obrigatória para aqueles que defendem a superioridade de algumas raças sobre as outras. O autor desempenhou por um bom tempo cargo diplomático na corte de D. Pedro II e achava o Brasil “uó” por ter tanta miscigenação. Segundo ele, a miscigenação degenera as sociedades porque piora as supostas limitações das raças inferiores (as não-brancas, para ele). A obra passou a ser usada para sustentar a legitimidade do tráfico negreiro. Sua tese foi tão aceita que até hoje existem alguns cientistas que mantém a crença na superioridade de algumas raças.








6- ” The Man Versus the State ” (O Indivíduo Contra o Estado), Herbert Spencer, 1884

Embora alguns digam que essa é uma leitura injusta do livro, ele foi utilizado para a defesa do capitalismo selvagem no século 19, principalmente nos EUA. Spencer defende que, assim como ocorre na natureza, nas sociedades humanas também prevalecem os mais aptos. Isso quer dizer que os ricos e poderosos são assim porque estão mais preparados que os pobres. O livro passou a ser usado, então, para justificar a falta de ética nas relações comerciais, com a destruição implacável da concorrência, a busca incessante por riquezas e o pouco caso com os pobres.



7- The Seduction of the Innocent (“A sedução dos inocentes”), Frederic Wertham, 1954


Ok que o livro não gerou nenhuma atrocidade, mas ajudou a disseminar ideias equivocadas a respeito de uma coisa que a gente gosta: quadrinhos. No livro, o psiquiatra alemão-americano Werthan forjou argumentos para atribuir às HQs o papel de culpadas por casos de delinquência, abandono dos estudos e homossexualidade entre crianças e adolescentes. O livro foi lançado numa época em que as HQs eram um dos gêneros de leitura mais consumidos nos EUA e até o governo pensou em proibi-los (naquele tempo, rolava uma preocupação imensa nos EUA de que os jovens estivessem sendo corrompidos por idéias comunistas). Para evitar isso, as editoras lançaram o Comics Code Authority – um código de autocensura que ainda existe e que seria um indicativo de que o material publicado não iria degenerar os jovens.




Postado por: Mago Nerd

Fonte: Super Interessante

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

33 comentários 7 livros que ferraram a humanidade

  1. Já Estudei sobre Joseph Gobineau (acho que no 3° Ano),Ele era um Idiota,e nem percebia que Mistura das Raças deixava o Ser Humano mais forte,resistente,e não ao Contrario,nossa o que ele falva das Misturas entre Negros e Brancos (e Índios Também,simplismente Nojento,cara Filho da Puta.Nossa o Livro do Hitler é como uma Bíblia para os Neo Nazistas,outro Filho da Puta (Obvio).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo! A mistura de raças étnicas fortalece na integração e longevidade da raça humana.

      Excluir
    2. discordo, mistura pode ser benéfica ou maléfica, dependendo do código genético do indivíduo.

      Excluir
    3. A chance da mistura de raças atribuir coisas negativas é bem menor do que relação entre as mesmas, pois com o tempo mesmo que doenças e falhas genéticas de determinadas etnias sejam maiores, elas serão superadas com o passar das gerações, criando uma raça mais forte e menos vulnerável, já em etnias sempre iguais podem não sofrer com anomalias de outras, mas manterão e intensificarão os problemas presentes na raça, sem contar que va ficar sempre todo mundo igual, mesma cor de pele, mesmo cabelo, mesmo olhos, mesmo esteriótipo físico, igual os asiáticos (não que estou criticando, apenas citei como exemplo).

      Excluir
    4. cada raça já é aptada a um ambiente,por sua genetica, a miscigenação,deixa o individuo não adaptavel a nenhum ambiente surgindo assim falhas genéticas, fonte "darwin"

      Excluir
  2. Nos 80 eram os RPGs,Hoje são os Video-Games,e a mais de 60 anos atrás eram as HQs,o que esse cara tinha na Cabeça quando escreveu esse livro ?!(promovia a Homossexualidade,kkkkkkk,Aff).Idiota,outro Filho da Puta

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente vivemos em uma sociedade não igualitária em que algumas pessoas precisam demonstrar poder e controle sobre os grupos ou grupo de que fazem parte. Assim o religioso ou jornalista sensacionalista ataca os games, o neonazista ataca os judeus e outros que não consideram puros, o político ataca seus rivais com mentiras usando de brechas na lei.
    Neste caso pessoas usaram livros como ferramentas para disseminar ideias de controle e poder. Hoje eles tem novas ferramentas, como a TV, a internet e sabe se lá mais o que.
    Será que temos liberdade ou isso é uma mera ilusão?

    ResponderExcluir
  4. Eu adicionaria o "Os protocolos dos Sábios de Sião" que também ajudou na propaganda anri-sionista.

    ResponderExcluir
  5. Faltou a Biblia.... ja q vc citou o feliciano...muita gente a usa p cometer atrocidades e acham divino...

    ResponderExcluir
  6. Cade a Biblia? mestra de todas essas obras...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cade a Biblia? mais devastador dos livros? por favor seus neo ateistas toddynho,filhotes de pc siqueira e caue moura,cade o manifesto comunista? cade a obra de gramsch? alcorão ? isso sim são livros perversos se não fosse a biblia a sociedade ocidental não existiria a biblia e o cristianismo forjaram a liberdade e a laicidade,e quem vier falar de "cruzadas" lembra que se não fosse os cristãos seu nome seria mohamed vc bateria na sua "esposa" de 9 anos, e se explodiria por ai em nome de alah, Cristo seja louvado!

      Excluir
  7. Lixo do século passado,pena que algumas mentes ficaram lá e seus donos ainda chafurdam nesse lixo!

    ResponderExcluir
  8. Bíblia, alcorão, torá, os piores de todos, livros que tornam as pessoas escravas de personagens mitológicos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Capital é pior ainda deixa as pessoas escravas de uma utopia.

      Excluir
  9. Concordo com o Fabricio Piton Prior... quando esses livros surgiram, o poder já estava havia tempos nas mãos de determinado grupo social que nada mais fez do que buscar justificativas que legitimassem sua posição. Se os faraós diziam que tinham sangue de Deuses numa sociedade teocêntrica (que dava importância a religião acima de tudo), os brancos europeus dos séculos passados diziam ser de uma raça superior e buscavam comprovações científicas, já que a sociedade passava por uma transformação de valores e apontava cada vez mais na direção da ciência exata.

    ResponderExcluir
  10. O pior de todos não colocaram.

    Bíblia

    ResponderExcluir
  11. The Collector de John Fowles que teria inspirado pelo menos 4 serial killers

    ResponderExcluir
  12. Concordo com a questão da Bíblia, mas acabei não incluindo pois segundo alguns pesquisadores da USP ele é apenas um livro que foi mal interpretado, traz mensagens de paz e amor e tudo mais, só que foi usado com uma visão de intolerância e tudo mais...

    ResponderExcluir
  13. Faltou a biblia livro que influenciou a humanidade em varias guerras é sexista inferioriza as mulheres e mais importante faz com que suas testemunhas me acorde domingo 7:30 da manha pra perguntar o verdadeiro nome de jesus...

    ResponderExcluir
  14. O autorzinho desse pequeno textinho é um burrinho que precisa voltar a escola aprender gramática e também é um boçal por dizer que Feliciano se deixa influenciar e defende a tese de “L’uomo delinqüente” (O homem delinquente), Cesare Lombroso.Agora porque o Deputado defende o direito que a droga da constituição dessa merda de país deveria garantir,o livre acesso dos pacientes ao tratamento de qualquer que seja o seu problema.Faça me o favor molequinho volta pra escola e pára de ir na onda de estupidos protestantinhos de facebookinho hahahaha.E sim essa merda de pais está vivendo um perídodo de ditatura homossexual,as pessoas tem o direito a não aceitação.Seja racial,religiosa ou opção sexual.E foda-se quem me chamar de homofóbico ou racista apenas exerço meu direito de protestar contra algunas babaquinhas que se acham politicamente corretos.

    ResponderExcluir
  15. Que lixo de post o imbecil que escreveu isso não deve nem saber ler. A teoria de Lombroso é válida e é ainda estudada nas universidades de todo o mundo. Mein Kampf é uma biografia, o comunismo é sim um LIXO um bom exemplo é a URSS só pra calar a boca de ativistazinho de sofá e professorzinho de sociologia.

    ResponderExcluir
  16. Então, na crítica do "O Indivíduo Contra o Estado" houve controvérsia porque Spencer defendia Darwinismo Social. Na verdade, como ele defendia que o Estado não deveria intervir na Economia, o que faria com que a Caridade fosse exclusivamente privada (ex. Igrejas, ONGs, etc) pois o Estado limita a liberdade dos indivíduos e gera ditaduras como no discurso de Hitler e Stalin de "ajudar os pobres" gerava dependência total da população perante o governante (i.e. Populismo). Ele era um Liberal Clássico, suas idéias foram deturpadas.

    ResponderExcluir
  17. A BIBLIA E MELHOR QUE SEUS FACEBOOSTA BABACAS
    ,

    ResponderExcluir
  18. Esqueceram de colocar o pior livro, O manifesto do partido comunista.

    ResponderExcluir
  19. Nenhum desses livros foi mais prejudicial do que a Bíblia Sagrada

    ResponderExcluir
  20. Não querendo bancar o religioso até por quê não sou desse tipo mas como alguns podem pensar que a bíblia fudeu a humanidade... bando de ateu do caralho

    ResponderExcluir